Sindijornalistas começa a negociar com sindicatos patronais as Convenções Coletivas 2012/2013

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Espírito Santo (Sindijornalistas), inicia, na próxima sexta-feira, dia 15, a negociação salarial 2012. A primeira reunião entre o Sindijornalistas e as entidades patronais será às 14h, com representantes do Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Espírito Santo (Sertes). A segunda, às 16h, com o Sindicato das Empresas de Jornais, Periódicos, Revistas e Similares no Estado do Espírito Santo.

 

Antigas bandeiras de luta da categoria permanecem na pauta de reivindicações, como o auxílio alimentação. Além desse benefício, os jornalistas também lutam pelo direito de receber lanche ou outro tipo de refeição durante o expediente após exceder a carga horária de cinco horas diárias. “A alimentação cedida pela empresa deve ser referente ao período em que o jornalista estiver em seu local de trabalho. Se ele trabalha na parte da tarde, a empresa tem a obrigação de dar um lanche. Caso o trabalho dele comece na parte da manhã e prossiga à tarde, ele dever ter direito à almoço”, explica o Secretário de Formação Sindical e Estudos Socioeconômicos e Negociação Salarial do Sindijornalistas, Júlio César Paternostro Rodrigues, o Pater.

Outra novidade é a cláusula 20, que prevê a utilização de equipamentos de proteção e segurança, como coletes, para os trabalhadores em coberturas de risco. “Recentemente os jornalistas capixabas se expuseram ao perigo sem nenhum equipamento de segurança em coberturas sobre a querra do tráfico nos morros de Vitória. E essa não é uma realidade somente do Espírito Santo. A categoria vem discutindo a questão da segurança em nível nacional. Recentemente, eu e a presidente do Sindijornalistas, Suzana Tatagiba, estivemos no ‘Seminário Jornalismo de Risco no Brasil: Tim Lopes, 10 anos Depois’, discutindo sobre segurança com jornalistas de todo o país”, diz Pater.

Além disso, a categoria reivindica 10% de aumento salarial: 4.8% de reposição salarial, referente à inflação do período de abril de 2011 e maio de 2012, mais  5,2% de reposição da massa salarial e ganho real.