Rede Tribuna continua a atrasar o pagamento de jornalistas

Mesmo com a determinação judicial para cumprirem com seus compromissos pagando os salários até o quinto dia útil, bem como os encargos sociais e trabalhistas, a Rede Tribuna continua a atrasar o pagamento dos seus jornalistas.

Apesar de já ter demonstrado sua insuficiência financeira quanto ao pagamento salarial, a empresa tem utilizado da tática de pagar quinzenalmente mas sem cumprir a data estabelecida. Na prática, era no dia 15, mas cada mês tem sido depositado numa data.

Diante aos fatos o Sindicato irá ajuizar ação requerendo que a empresa deixe de parcelar os salários cumprindo o que determina a lei, de pagar todo o salário na integralidade até o quinto dia útil.

Além dos salários, os jornalistas relatam que estão com o FGTS em atraso e quando solicitam da empresa a quitação dos débitos para poderem utilizar, por exemplo, em transações imobiliárias, a Rede Tribuna diz que é preciso esperar e entrar numa fila de recebimento/solicitações.

Verbas rescisórias atrasadas

Como já era previsto, sequer as verbas rescisórias que foram parceladas na ultima demissão estão sendo quitadas em dias. Os demitidos denunciam que reiteradamente a empresa tem fornecido chaves para acesso ao saque do FGTS que não funcionam, demorando assim dias para gerar novas chaves válidas.

Desrespeito e Assedio

Apesar de continuarem infringindo a legislação prejudicando a vida de seus trabalhadores, a empresa ainda continua a política do silêncio. Não dá nenhuma justificativa, nem previsões. E quando algum jornalista reclama, ainda é repreendido pela direção, por meio de ameças veladas, podendo inclusive ser caracterizado como assédio moral. O Sindicato diante à isso, orienta que se registre tudo quanto seja possível, para ações futuras.