Camiseta da campanha salarial é ingresso para a feijoada

Imagem Ativa
Por 12 reais, os jornalistas capixabas podem ter uma camiseta com a logo da campanha salarial 2008 – produzida pelo colega Júlio Pater – e ainda saborear uma deliciosa feijoada no domingo, dia 01 de junho. O tradicional encontro está marcado para começar a partir do meio dia (12 horas), no Centro Social do Sindicato dos Bancários, localizado no Forte São João, em Vitória.

As principais reivindicações dos jornalistas para as empresas de comunicação este ano são aumento real de 5% nos salários – além da reposição do índice de inflação do período – e a concessão de auxílio alimentação, o conhecido tíquete refeição/alimentação, no valor de R$ 15,00, benefício que a maioria dos trabalhadores de outras categorias já usufrui há anos.

 

Outra reivindicação importante é que o reajuste salarial/aumento real concedido seja estendido nos mesmos índices aos pisos salariais.

 Mobilização é fundamental Os jornalistas – acostumados a cobrir a luta de outros trabalhadores contra o Capital – sabem que sem mobilização não há conquista. Sem querer defender os métodos e a postura adotadas pelos dirigentes rodoviários, não podemos deixar de reconhecer que a greve dos motoristas foi um sucesso, mesmo com toda a nossa  “imprensa” criminalizando o movimento. E desta vez, eles avisaram e não pegaram a população de surpresa, na rua.

Certos ou errados, eles conquistaram aumento nos salários e no tíquete alimentação, além de acabar com o banco de horas e a redução da penosa jornada de trabalho estabelecida.

 

Mas, o Sindijornalistas não está convocando nenhum jornalista para a greve. O que o Sindicato precisa é da participação da categoria nas assembléias, nas próprias redações e assessorias. Converse com o seu colega, comente com ele as perdas sofridas nos salários, o desrespeito patronal aos seus direitos básicos, como a jornada de cinco horas, o pagamento de hora extra. Use a camiseta. Essa é uma atitude de mobilização. E quando o sindicato convocar para um luto de protesto, por exemplo, não fique de fora. 

 

Agende um tempo para se orientar e participar dos eventos da campanha salarial, pois os benefícios conquistados agora vão valer até abril de 2009. O sindicato é apenas o negociador. Ele não existe sem os jornalistas sindicalizados. Quem dá o tom da discussão na mesa de negociação é a categoria. Se ela não enxergar o seu papel vai assumir a responsabilidade pelos resultados.