Comunicação é tema de debate em conferência internacional

Vitória sediou entre os dias 15 e 17 de agosto a V Conferência Internacional de Direitos Humanos, realizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pela OAB/ES. Realizado no Centro de Convenções de Vitória, o evento teve como tema A Efetividade dos Direitos Humanos no Brasil.

Entre os debates realizados nos três dias de evento está o que foi abordado pelo advogado e ex-presidente nacional da OAB Marcello Lavenère, que falou sobre o tema Mídia, Democracia e Direitos Humanos. Ele destacou que, dialogar com um participante da conferência sobre o que foi abordado no evento, vale muito mais apenas do que assistir televisão. “Aqui nós estamos debatendo um tema que não está presente na mídia, que é direitos humanos”, explica Marcello.
Para ele, não debater o tema direitos humanos e, quando mencioná-lo, tratá-lo de forma distorcida, é um atentado à democracia. “Se a pessoa não for bem informada sobre um determinado assunto, terá uma visão de mundo distorcida, afinal, nossa visão de mundo é formada pela mídia”, diz o palestrante, que defende a criação de órgãos reguladores dos meios de comunicação, como os conselhos.
Marcello Lavenère destacou que, atualmente, sete grupos empresariais detêm o monopólio dos meios de comunicação no Brasil. “São sete famílias que dominam TVs, rádios e jornais. Ditam o que os brasileiros devem pensar. É quando são contestadas, alegam que estão tendo o direito à liberdade de expressão violado”, afirma o advogado, que apresentou dados alarmantes. De acordo com ele, 40% da radiodifusão estão nas mãos de parlamentares, ex-parlamentares ou pessoas ligadas a eles.
Para Marcelo Lavenère, a obrigatoriedade do diploma para exercer a profissão de jornalista não é nenhum atentado à liberdade de expressão. “A época do jornalismo amador já passou. Hoje, certamente, teremos profissionais melhores se eles forem egressos dos cursos superiores de jornalismo”, defende o advogado.