Cultura e música em destaque nas homenagens da ALES

Faz enorme sentido em um país que, atualmente, menospreza a cultura, a homenagem da deputada petista Iriny Lopes aos comunicadores Francisco Velasco e Tarcísio Faustini, nesta quinta feira (17) na Assembleia Legislativa. Sem qualquer dúvida, um reconhecimento fundamental ao trabalho em defesa da música brasileira que os comunicadores têm realizado em toda a trajetória e história de vida. Francisco Velasco é compositor e jornalista e trabalha desde 2005 na TVE, no comando do programa Eu sou o Samba, e há dez anos é titular de Ensaio Geral na Rádio Espírito Santo. Tarcísio Faustini, por sua vez, está à frente do programa Domingo Brasil, na Rádio Universitária, há mais de 28 anos.

Fotos: assessoria Iriny Lopes

Deputada Iriny Lopes, Velasco e família

Fotos: assessoria Iriny Lopes

Deputada Iriny Lopes e Tarcísio Faustini           Fotos/Assessoria gabinete Iriny Lopes

Francisco Velasco e Tarcísio Faustini receberam a comenda Domingos Martins que é concedida a personalidades, nacionais e estrangeiras que contribuem com a história e o desenvolvimento do Espírito Santo. A mais alta honraria do Estado teve como proponente a deputada petista, Iriny Lopes. O Sindijornalistas parabeniza os comunicadores pela luta e resistência em defesa da Música Popular Brasileira.

Entidades sindicais buscam apoio de parlamentares para concurso público na RTVES
Nesta quinta- feira, 17 de dezembro, os sindicatos representantes dos trabalhadores da RTVES entregaram documento aos parlamentares pedindo apoio para realização de concurso público considerando o altíssimo déficit de pessoal efetivo no quadro da autarquia.

Nunca houve concurso público no sistema e a Rádio Espírito Santo chega aos 81 anos e a TVE aos 47, sem que, até então, os governos tenham se sensibilizado com a necessidade e importância de repor o quadro de pessoal.

Os sindicatos dos Jornalistas, dos Radialistas, dos Artistas, dos Trabalhadores Públicos e a Federação Nacional dos Jornalistas têm feito reiterados pedidos de realização do concurso público. Avessos, porém, às reivindicações, os últimos governos preferiram deixar o sistema RTVES ser ocupado pela inércia neste sentido! Diante disto, não há mais nenhum cargo de jornalista efetivo na Rádio Espírito Santo e, na TVE, há apenas cinco efetivos, com uma jornalista aposentada e que continua trabalhando, e duas às vésperas de aposentar.

O quadro se repete em outros setores nos levando, mais uma vez a protestar contra o descaso e a perguntar o quê o governo estadual quer para a RTVES. O que se vê, governos usando de subterfúgios considerados ilegais para manter as emissoras no ar. São desvios e acúmulos de função e profissionais ganhando praticamente um salário mínimo, dentre outras ilegalidades. Nesse ponto ainda é preciso destacar que a Constituição Federal determina que para atuação permanente no setor público é obrigatório a investidura pelo concurso público. O que na RTV não tem sido realizado.

Cabe, no entanto, dizer que a grande receptividade que os sindicatos tiveram ao expor a deficitária e caótica situação na RTVES, a parlamentares e assessores, não pode ficar sem uma resposta prática. E continuaremos a defender que o Governo do Estado se volte ao cumprimento da Constituição no que se refere ao acesso ao serviço público via concurso.