Doença mental – algo a se preocupar no mundo do trabalho

Reportagem: Andréa Margon Foto: Fundacentro

Enfrentar e se recuperar do estresse diário é um estado mental considerado saudável. Entretanto, quando este equilíbrio se perde começam os problemas. Seja no trabalho ou no desemprego, a capacidade de resiliência laboral é o grande influenciador na saúde mental dos indivíduos. A análise é da psicóloga Roberta Belizário Alves, da Coordenação de Vigilância em Saúde do Trabalhador, da Secretaria Municipal de Saúde de Vitória, durante a palestra “Saúde Mental no Trabalho: um Debate Necessário”, que ocorreu dia 12 de agosto, na Fundacentro ES.

O órgão implantou esta coordenadoria recentemente e é inédita no país. O objetivo é elencar e analisar a saúde mental dos trabalhadores e mesmo àqueles que estejam à procura de emprego. Segundo Roberta Belizário, a problemática é importante para tratar e recuperar quem está em idade produtiva e enfrenta algum problema.

O Sindijornalistas ES foi convidado e irá participar do grupo de estudos da Coordenação de Vigilância em Saúde do Trabalhador. A participação do Sindicato neste fórum visa desenvolver projeto voltado para a Saúde e Segurança do jornalista, categoria que sofre, cotidianamente, com as pressões do trabalho e da sociedade em geral.

O tema, complexo, envolve os fatores influenciadores das doenças mentais, que podem ser internos, quando há pré-disposição individual, ou externos, como meio ambiente, particular e/ou laboral. Fatores como doenças físicas, também, são agentes desencadeadores das doenças psíquicas e vice-versa.

Trabalho

Ao se transformar ao longo da história, o trabalho produz mudanças na organização social, nas empresas e nos modos de ser trabalhador. E as adaptações nem sempre são absorvidas com facilidade por todos. Cada pessoa reage a um estímulo de maneira particular, mesmo que o trabalho seja realizado em grupo, como nas equipes jornalísticas.

As alterações nas relações de trabalho, chamadas de uberização e pejotização do trabalho, provocam insegurança e desestabilidade emocional. Além disso, a reengenharia empresarial – como no caso de A Gazeta, recentemente –, que provocam demissões e acúmulo de funções aos jornalistas, são fatores provocadores de estresse e, por consequência, desenvolve doença mental.

Muito mais iremos tratar sobre Saúde e Segurança. Este é o começo de um novo campo para o Sindijornalistas que busca, primordialmente, a qualidade de vida da categoria.