Jornalistas fazem Assembleia nesta quarta para avaliar proposta salarial patronal

Nesta quarta-feira (25), às 12 horas, na sede do Sindicato dos Jornalistas, será realizada Assembleia Geral Extraordinária para discutir, avaliar, e votar, proposta salarial apresentada pelo patronato de comunicação.

Depois de três rodadas de negociação, os representantes do Sindicato de Rádio e TV (Sertes) ofereceram um reajuste salarial de 6,65% – 5,81%, índice do IBGE, correspondente à inflação do período maio de 2013 a abril de 2014 – mais 0,84% de ganho real.

Também propuseram pisos de 1.403,00 para emissoras de rádio situadas na Região Metropolitana da Grande Vitoria, e R$ 1.204,00 para os demais municípios. No caso de Televisão, a proposta é pagamento de piso no valor de R$ 1.652,00 também para veículos situados na Região Metropolitana da Grande Vitória, e de R$ 1.204,00 para demais municípios do Estado.

Chororô de sempre

Já o Sindicato de Jornais, Revistas e Similares (Sindijores) anunciou propostas de reajustes diferenciados: 6,65% (5,81% inflação + 0,84% de ganho real) para os profissionais que trabalham em jornais diários no município de Vitória, e 6% para os demais, ou seja, fora da Capital, ampliando a proposta também para as Revistas.

Para o piso salarial dos jornalistas, hoje no valor R$ 1.544.40, pagos por 5 horas diárias a quem trabalha nos impressos e redações de televisão com sede em Vitória, o patronato quer institucionalizar remuneração também diferenciada.

Todos os valores oferecidos são inferiores aos reivindicados pelo Sindijornalistas. No caso, para quem trabalha em jornais diários no município de Vitória a proposta é de pagamento de R$ 1.647,00. Para os jornais diários, mas com sede no interior, R$ 1.260,00. Profissionais dos veículos com circulação não diária, mesmo aqueles que estão baseados na Capital, foi sugerido um inicial de R$ 1.317,00, e nos jornais com a mesma circulação, mas com sede no interior, um piso de R$ 1.193,00.

Tíquete Alimentação

Todos os dois sindicatos negaram concessão de tíquete alimentação para os profissionais que trabalham nas Redes Gazeta e Tribuna, pois os jornalistas contratados pelas empresas TV Vitória, TV Capixaba, TVE e site ESHoje já recebem o vale alimentação. Somente as duas maiores redes que atuam no Estado negam a concessão de tíquetes aos seus funcionários.

“A conversa dos representantes das empresas é a mesma de sempre – o caixa dos jornais está no vermelho frente às novas mídias que concorrem com o impresso. Essa conversa já tem mais de 10 anos e nenhum grande impresso fechou as portas em Vitória. Isto só quer dizer que a crise passou ao largo destas empresas”, afirmou Suzana Tatagiba, diretora do Sindijornalistas, e uma das integrantes da Comissão de Negociação do Sindicato.

Perda do poder de compra

Enquanto isso, os jornalistas capixabas, nos últimos 14 anos, tiveram uma perda de quase 16% no poder de compra de seus salários. E, portanto, necessitam de ganhos reais maiores para a retomada da plenitude salarial. “Essa perda tão alta só é vista nos salários dos funcionários públicos. Aqui no estado se equivale a perdas nos salários do magistério municipal de Vila Velha, por exemplo,” informou a economista do DIEESE, Sandra Bortolon.

Para debater esta situação dos nossos salários, reforçamos o chamamento do Sindicato para que todos os jornalistas participem da Assembleia Geral Extraordinária da próxima quarta-feira (25), na sede do Sindijornalistas.