Jornalistas na defesa das mulheres e dos direitos dos trabalhadores nesta sexta-feira

O Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta sexta-feira, 8 de março, será marcado por manifestações de vários coletivos e movimentos sociais, em Vitória. O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Espírito Santo convida a todos os profissionais da imprensa capixaba para participar dos atos, que também terão protestos contra a ‘Reforma’ da Previdência e pelos direitos da/os trabalhadora/es e contarão com a participação de diretora/es do Sindicato.

O Sindicato chama a atenção para a importância de ir às ruas defender a vida das mulheres, o direito dos trabalhadore/as e a democracia. É importante nos manifestarmos contra a reforma antidemocrática da Previdência que penaliza o trabalhador, enquanto os verdadeiros devedores do sistema previdenciário, inclusive algumas empresas de comunicação, além de não quitarem suas dívidas, ainda continuam a receber isenções fiscais do poder público.

A marcha #MariELASsim: pela vida das mulheres, por direitos e contra os retrocessos será realizada nesta sexta e a concentração ocorre a partir das 15h em frente à Defensoria Pública (Casa Porto), na Avenida Jerônimo Monteiro/Vitória. Logo em seguida, por volta das 16 horas, haverá caminhada em direção ao Museu do Negro (MUCANE), no Centro.

A marcha vai denunciar o feminicídio, o machismo, o racismo, a lesbofobia, o assassinatos das mulheres trans e a as diversas formas de violência. Os atos também vão lembrar que há um ano estão impunes os assassinos da vereadora Marielle Franco (Psol/RJ) e de seu motorista, ocorridos em 14 de março de 2018.

Medida Provisória

Enquanto o Carnaval foi marcado por protestos contra o presidente Jair Bolsonaro em blocos de rua por todo o país e nos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro, na véspera, o presidente editou uma medida provisória (MP) que visa a aniquilar os sindicatos e o movimento sindical.

Em nota divulgada em seu site, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) destaca que trata-se da MP 873/2019, “que já está em vigor desde sexta-feira, 1° de março, e cuja tramitação no Congresso Nacional deverá ocorrer em paralelo com as mudanças que podem pôr fim ao direito de uma aposentadoria digna e encolher a rede de proteção social para milhões brasileiros(as)”.

Enquanto o presidente divulga vídeo pornográfico em sua conta no Twitter em uma tentativa de generalizar e atacar os blocos que o criticaram, está em vigor a medida que visa a prejudicar a representatividade dos trabalhadores.

A CUT destaca ainda que, “com a MP querem inviabilizar o custeio sindical, mesmo quando a taxa negocial a ser recolhida pelo trabalhador tiver sido aprovada pela maioria em assembleia geral”.