Negociação salarial: próxima reunião será no dia 1º de julho

Dirigentes do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Espírito Santo e representantes dos sindicatos patronais voltam à mesa de negociação salarial 2009/2010, no dia 1º de julho. O encontro será no Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do ES (Sertes), às 9 horas. Na primeira rodada de negociação, realizada no último dia 16 de junho, a proposta econômica  feita pelos patrões foi de aplicar sobre os salários reajuste de 4%.

O percentual oferecido pelos empresários é inferior a inflação dos últimos 12 meses, que é de 5,83%, motivo pelo qual a proposta foi rejeitada pelo Sindijornalistas. Segundo Suzana, presidente do Sindijornalistas, o que foi oferecido está bem abaixo da proposta que encaminhamos aos sindicatos patronais para negociação. “Não podemos aceitar uma proposta dessa”, disse Suzana.
 
Os jornalistas querem reposição das perdas e  9% de ganho real. Sobre o piso salarial, já convencionado na negociação de 2008,  o reajuste reivindicado é de 20%, independente do tempo de serviço. Na próxima reunião os jornalistas esperam receber uma nova proposta dos empresários. “Mais uma vez, vamos insistir que a sociedade tem direito a uma informação de qualidade e que isso inclui profissionais remunerados dignamente”, destaca Suzana. Atualmente o piso na TV e jornais da capital é de R$ 1.092,00 para jornada de cinco horas.
 
Para os repórteres e apresentadores de televisão também é reivindicado reajuste no valor da verba referente ao auxilio vestuário que é paga a cada três meses a esses jornalistas. Em relação às cláusulas sociais da convenção coletiva, foram mantidas as mesmas já conquistadas.

Cláusulas sociais

Entre as clausulas mantidas estão a que assegura à jornalista gestante a estabilidade no emprego pelo prazo de 30 dias, após o término do afastamento compulsório e  a mudança de suas tarefas, mediante a comprovação médica, se essas lhe forem prejudiciais, sem prejuízo do salário e demais vantagens. No caso de adoção, licença remunerada de 60 dias para jornalistas que adotam judicialmente crianças de até seis meses de idade.

A cláusula que se refere à dispensa sem justa causa para profissionais que tenham mais de cinco anos de trabalho continuo na empresa. Na qual é assegurado o pagamento da indenização especial de 30 dias do salário base do empregado, vigente na época da rescisão, preservando-se o aviso prévio legal de 30 dias. E, a que trata da complementação do auxílio-doença concedido pelo INSS, de forma que o jornalista em tratamento não receba menos do que se estivesse no desempenho normal de suas funções.

Também a que se refere à concessão de licença não remunerada, sempre que possível,  aos jornalistas para que os mesmos possam participar de cursos de aperfeiçoamento profissional na área de jornalismo. Estas e outras cláusulas conquistadas em acordos anteriores foram mantidas na convenção de 2009/2010.

Convenção Salarial de 2008

Na Convenção Coletiva de trabalho dos jornalistas relativa ao período 2008/2009 os jornalistas que recebiam piso de um mil reais conquistaram um reajuste de 9.21%.  Salários acima do piso tiveram correção de 5.9%.

Piso salarial dos jornalistas no Espírito Santo
– TV e jornais da capital: R$ 1.092,10
– TV e jornais de outros locais: R$ 797,23
– Rádio da capital: R$ 928,28
– Rádios de outros locais: $ 797,23
*  Jornada de cinco horas