Patrões oferecem reajuste salarial abaixo da inflação

Sindicato rejeita e negociação continua

Reajuste de 3% foi a proposta de aumento salarial oferecida pelos patrões na última quinta-feira, dia 10, em mais uma rodada de negociação salarial. Rejeitada pelo Sindicato, a proposta foi considerada absurda, pois não cobre, sequer, a inflação do ano passado. “Só aceitamos discutir a partir do percentual equivalente à inflação que corresponde a 5,9%. Qualquer coisa abaixo desse índice é inaceitável”, disse a presidente do Sindijornalistas, Suzana Tatagiba.

Uma nova reunião foi marcada para o próximo dia 24, quando os jornalistas esperam receber uma nova contraproposta dos patrões. Na última reunião, houve acordo em algumas cláusulas sociais, já conquistadas em convenções passadas, como a que trata de seguro para viagem, licença para estudantes, assistência judiciária, remuneração em dobro das horas trabalhadas no dia do Jornalista, mas a que trata de aumento de salários ainda é impasse. “Não temos pressa, só vamos fechar o acordo quando for favorável aos trabalhadores”, lembrou Suzana.

A diretora de Comunicação Zelita Viana lembrou aos patrões o ótimo momento vivenciado pelo setor, com evidentes sinais de expansão, como abertura de novas rádios, lançamento de cadernos regionais e de negócios e reformulação de portais. “O que nós queremos é o reconhecimento do trabalho dos jornalistas nesse processo, o que se traduz em salários justos”.

Entre as reivindicações aprovadas em assembléia da categoria, o Sindicato não abre mão do piso salarial, reposição da inflação, ganho real e tíquete alimentação, consideradas de extrema importância para o conjunto dos jornalistas.

Marília Poletti
Assessoria de Imprensa