Presidente da FENAJ fala sobre liberdade de expressão para os jornalistas capixabas

Os debates do segundo dia do 12° Congresso Estadual dos Jornalistas teve início com a palestra Jornalismo e Liberdade de Expressão, ministrada pelo presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Celso Schroder. O jornalista, que também é presidente da Federação de Periodistas da América Latina e Caribe (Fepalc), falou entre outros assunstos, sobre a maneira equivocada como muitas pessoas enxergam a liberdade de expressão.
Schroder destacou que, muitas vezes, ocorre uma incompreensão do que é liberdade de expressão e citou casos marcados por constrangimentos, invasões de privacidade e usurpações de direitos que ocorreram tendo como argumento a liberdade de expressão. Alguns dos fatos destacados por Schroder foram os ataques violentos contra a criação do Conselho Federal de Jornalismo e a queda do diploma para exercer a profissão de jornalista.

Para Schroder, a liberdade de expressão é um bem, um patrimônio social e humano que, em relação aos meios de comunicação, deve ser entendido de maneira difusa. Portanto, pode ser mediada. “A comunicação deve ser tratada como bem público. Realizamos a liberdade de expressão com a liberdade de imprensa, instrumento que nos permite a tarefa de garantir a liberdade de expressão para o público”, defende Schroder.  

O presidente da Fenaj elencou alguns quesitos que devem nortear a luta dos jornalistas. Algumas deles são a proposta de um piso salarial nacional para a categoria, a questão da federalização dos crimes contra jornalistas e o segundo turno da PEC do diploma, que deve ocorrer ainda este ano, no Senado. “O diploma nos capacita, nos qualifica e é essencial para a liberdade de expressão”, afirma o jornalista.