Presidente do Sindijornalistas defende obrigatoriedade do diploma em sessão solene na Ales

No dia sete de abril foi realizada, na Assembleia Legislativa, uma sessão solene em comemoração ao Dia do Jornalista, proposta pelo deputado estadual Nilton Baiano (PP).Na ocasião, o Sindijornalistas, representado pela presidente Suzana Tatagiba, foi um dos homenageados com a comenda Carlos Fernando Monteiro Lindemberg. Em seu discurso, Suzana leu o Manisfesto à Nação, assinado pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e seus 31 sindicatos filiados.

O manifesto ressalta que o jornalismo é um bem público essencial à democracia. Além disso, defende que esta atividade não pode ser exercida por qualquer pessoa, independente de sua qualificação profissional, por se tratar de uma forma de produção de conhecimento sobre a realidade social, além de requerer prévios conhecimentos teóricos e metodológicos que fundamentam o conhecimento produzido.

Por meio do manifesto, Suzana Tatagiba conclamou toda a sociedade a apoiar a luta pela aprovação das Propostas de Emendas Constitucionais (PEC’s) que restituem a obrigatoriedade do diploma para exercer o jornalismo e defendeu a liberdade de expressão, que não se realiza somente através dos meios de comunicação, portanto, não é prejudicada pela obrigatoriedade do diploma.

Além do Sindijornalistas foram homenageados vários profissionais que fazem parte da categoria e, também, instituições de ensino, entre eles, o jornalista Marien Calixte, a coordenadora do curso de Comunicação Social da Faesa Marlene Matos, o professor do Departamento de Comunicação Social da Ufes Edgar Rebouças e o diretor presidente do Sistema de Rádio e TV do Espírito Santo Sérgio Egito.