Recurso contra o diploma vai a julgamento no STF nesta quarta-feira

O Recurso Extraordinário RE 511961, que questiona a constitucionalidade da exigência de diploma em curso superior de Jornalismo como requisito para o exercício da profissão, volta à pauta do Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira (17/06). A FENAJ, os Sindicatos de Jornalistas e entidades apoiadoras da Campanha em Defesa do Diploma promovem novos movimentos para assegurar esta conquista que em 2009 completa 40 anos.
 

O recurso contra o diploma é o segundo ponto da pauta do STF nesta quarta-feira. A Executiva da FENAJ montou esquema de mobilização nas escolas e locais de trabalho de Brasília para novo ato no STF. Também intensificou contatos políticos para fortalecer o movimento. Já o GT da campanha em defesa do diploma encaminhou orientações para mobilização dos Sindicatos, profissionais, professores, estudantes, entidades regionais, seções estaduais de entidades nacionais, bancadas de cada estado e personalidades. Também destacou a importância do envio de mensagens de sensibilização aos ministros do STF a partir de sugestão contida no site da FENAJ. A perspectiva é de novas atividades em vários estados, paralelamente à sessão do STF em Brasília.

Na terça-feira (16/6), o senador João Pedro (PT/AM) fez pronunciamento na tribuna do Senado em apoio à Campanha em Defesa do Diploma

Manifestações e vigílias em vários estados ocorreram na semana passada. No Ceará, o Sindicato dos Jornalistas realizou uma mobilização em frente à Assembléia Legislativa, entregando à população cearense o Manifesto à nação em defesa do jornalismo, da sociedade e da democracia no Brasil. Em Fortaleza, haverá panfletagem nesta terça-feira (16/06), a partir das 16 horas, na Praça do Ferreira. No dia 17, às 11h, a manifestação será na Praça da Imprensa. Na semana passada houve manifestações de apoio de peso entre os políticos do Ceará, como da prefeita Luizianne Lins (PT), do deputado federal Chico Lopes (PCdoB-CE) e dos deputados estaduais Lula Morais (PCdoB), Nelson Martins (PT), Rachel Marques (PT), Heitor Férrer (PDT) e Artur Bruno (PT).

No Rio de Janeiro, com a participação dos Sindicatos dos Jornalistas do Município e do Estado, do Fórum Nacional dos Professores de Jornalismo, da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), parlamentares e ativistas da campanha em defesa do diploma, foram realizadas duas manifestações, com distribuição de panfletos, no centro da cidade. No final da tarde de terça-feira (09/06), o movimento ocorreu na Praça 15. E no dia 10 a concentração se deu em frente à Câmara de Vereadores, na Cinelândia. Nas duas ocasiões, a população se manifestou a favor do diploma e por uma imprensa mais democrática e de boa qualidade.

Na Assembleia Legislativa do Piauí, um ato de entrega de título de cidadania ao jornalista Zuenir Ventura, serviu, também, para uma manifestação do Sindicato dos Jornalistas a favor do diploma. O movimento repercutiu, também, no Salão do Livro – Salipi -, realizado em Terezina.

Houve uma moção de apoio à luta pela manutenção do diploma no Seminário Pró-Conferência Nacional de Comunicação realizado em João Pessoa, na Paraíba, dia 11.

Em Florianópolis, onde o Sindicato dos Jornalistas de SC promoveu manifestação na semana passada, os jornalistas voltam a se reunir em vigília na frente da Justiça Federal, localizada ao lado da Catedral Metropolitana, no Centro.

Está agendado, no Paraná, novo ato para as 12h desta quarta-feira, na Boca Maldita, em Curitiba. Estudantes e professores do curso de Jornalismo da Unicentro organizam uma mobilização em defesa do diploma no mesmo dia, às 10h, no Calçadão da Rua XV de Novembro, Centro de Guarapuava. Na semana passada esta luta recebeu manifestações de apoio do deputado federal Dr. Rosinha (PT) e do prefeito de Londrina, Barbosa Neto (PDT).

Além das atividades realizadas na semana passada, no RS houve, nesta segunda-feira, mais uma edição do Debate Jornalismo B, em Porto Alegre, tendo como tema o diploma. O deputado federal Paulo Pimenta, do PT gaúcho, discursou em defesa do diploma de jornalista no dia 8 de junho, na Câmara de Deputados.

No Espírito Santo houve, na semana passada, manifestação em frente à Assembléia Legislativa. Parlamentares manifestaram apoio ao movimento e fizeram pronunciamento a favor da Campanha, no Plenário da Casa.

Fonte: Fenaj