Servidores da RTV-ES criticam plano apresentado pelo Governo

Em assembleia realizada nesta segunda-feira (09) os servidores da Rádio e Televisão e Espírito Santo (RTV-ES), avaliaram com criticidade o plano de alinhamento apresentado pela Seger. Os trabalhadores deliberaram por aprovar o plano, mas fizeram várias ressalvas, principalmente quanto à carga horária, remuneração, hierarquia e direção de veículos automotores.

Apesar de considerarem baixas as remunerações, avaliaram ser urgente a realização de um concurso para o sistema RTV-ES continuar funcionando e que muitos aguardam o alinhamento para se aposentar.  O plano desrespeita a regulamentação das profissões de radialistas, jornalistas e outras que compõem o quadro , o que foi sendo discutido com a Seger desde  as primeiras negociações em 2010. Aceitar esse plano precário em relação à várias conquistas dos trabalhadores se dá, apenas, para tentar evitar um sucateamento ainda maior das emissoras onde há carência das coisa mais simples, como copo plástico.

Ao longo dos governos, e nesse não é  diferente, a Rádio ES e a TVE e seus servidores vem sendo tratadas com negligência e falta de respeito. Mas, em função do precário número de pessoal,  com pelo menos 20 aposentadorias previstas para os próximos meses, o quadro precisa ser votado urgentemente já que está atrelado à realização do concurso público. Ressalte-se, vai ser o primeiro concurso na história da Rádio ES e da TVE. Como registrou Fátima Côgo, servidora da RTV e diretora do Sindijornalistas-ES, os servidores foram surpreendidos pela grande redução do número de vagas para o concurso, totalizando 73 ao invés das 114 propostas. ” Vamos continuar lutando por nossas conquistas trabalhistas e pelo fortalecimento das emissoras”, destacou.

O diretor do Sindijornalistas, Douglas Dantas observou que o plano apresentado é de alinhamento à Nova Política de Gestão e que, infelizmente, as remunerações que o governo vem oferecendo às demais autarquias está semelhante à proposta no alinhamento da RTV. Reforçou, no entanto, que a luta dos trabalhadores deve continuar para melhorar a valorização profissional. “A aprovação é apenas um passo e, avaliando que não atende como deveria, os profissionais devem continuar lutando. Paralelo ao plano, o Governo ainda precisa solucionar a caótica situação das sedes das emissoras  e as péssimas condições de trabalho.” Falta quase tudo nas emissoras, uma situação que os sindicatos representantes dos trabalhadores vem denunciando em todo o governo Renato Casagrande.

Quanto ao descumprimento da regulamentação profissional, o Sindijornalistas comunica que caso o Governo insista na violação à legislação, irá adotar as medidas jurídicas cabíveis.

Diante do exposto, o Sindipúblicos, que está à frente da negociação junto à Seger, irá encaminhar ofício ao Governo comunicando a decisão da categoria, de aprovação do plano, mas com ressalvas quanto aos pontos não atendidos.