TRT confirma sentença e A Gazeta recorre ao TST, em Brasília

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) – segunda instância da Justiça do Trabalho -, confirmou a sentença condenatória da Vara da Justiça do Trabalho (primeira instância) na Ação Civil Pública provocada pelo Sindicato dos Jornalistas e movida pelo Ministério Público do Trabalho contra o jornal A Gazeta.

Desta forma a multa de R$ 50 mil aplicada na primeira instância e a obrigatoriedade de manter o cartão de ponto estão garantidas pela confirmação do TRT. Mesmo diante da punição ainda acontecem irregularidades no cartão de ponto em A Gazeta, pois os jornalistas são pressionados a não marcar horas extras.

O SindiJornalistas que denunciou as irregularidades em A Gazeta está reunindo novas provas para pedir uma fiscalização na mesma redação em razão da pressão que os jornalistas sofrem para não registrar nos cartões de ponto as horas excedentes. “Aqui trabalhamos além do horário. Somos obrigados a registrar os cartão de ponto e continuar trabalhando”, disse um jornalista de A Gazeta.

Sobre o resultado da Ação Civil Pública contra A Gazeta na primeira e segunda instância, a diretoria do SindiJornalistas comentou que se trata do reconhecimento judicial de direitos dos trabalhadores jornalistas que A Gazeta sempre explorou e continua explorando.

A Gazeta, como é seu direito, recorreu da decisão do TRT ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília, através do Recurso de Revista (RR) que lhe cabe. Agora é aguardar a decisão da corte superior do trabalho a confirmação, ou não das vitórias da categoria nas duas primeiras instâncias.