TVE abusa na contratação de estagiários e reduz salários

A contratação excessiva de estagiários e a suspensão do adicional de 20% de insalubridade serão os assuntos principais da reunião marcada para o dia 25 de março, às 10 horas, com a comissão de servidores, representantes dos três sindicatos envolvidos: Sindipúblicos, Sindijornalistas e Sintertes.

O clima no ambiente de trabalho na TVE é de revolta. Os jornalistas estão insatisfeitos com a redução dos salários devido à retirada do adicional de 20% de insalubridade, que 90% dos trabalhadores recebiam. Além disso, estão vendo as vagas dos profissionais serem ocupadas por estagiários.

Segundo o jornalista e diretor do Sindicato, Thelmo Scarpine existem, hoje, 12 estagiários contratados na TV Educativa. Sete deles exercem a função de repórteres e produtores no jornalismo, fazendo e assinando matérias. Ainda tem um no tráfego, dois na programação, um na área técnica e outra estudante de jornalismo que está secretariando o diretor-presidente da RTV, Tinoco dos Anjos.

Mas as irregularidades não param por ai, pois os servidores estão indignados com a redução do salário devido ao corte do adicional de insalubridade. Thelmo conta que esse adicional era pago há cinco anos, devido a um laudo técnico emitido pela Delegacia Regional do Trabalho (DRT). O laudo atestava que os equipamentos emitiam uma radiação não ionizante que torna o ambiente insalubre.

A redução de 20%, causada pela suspensão do adicional, levou os servidores a não mais acumular funções sem remuneração. O acúmulo atinge a grande maioria dos funcionários da TVE já que ao longo dos anos muitos se aposentaram, outros deixaram a empresa e nunca houve um concurso público. Segundo Thelmo, a proposta do diretor-presidente, para solucionar a questão, é contratar mais estagiários ou pagar hora extra. Os servidores defendem a abertura de novas contratações através de concurso público.

Fim da insalubridade
Quando a jornalista Alcione Lobato assumiu a direção da RTV, uma de suas metas era pôr fim ao pagamento do adicional que os servidores recebiam. Para isso, contratou a Findes que fez outra perícia nas instalações da TVE. O laudo técnico apresentado pela Findes suscita uma série de questionamentos, pois determina o direito ao adicional para um servidor e exclui outro na mesma função e no mesmo local de trabalho.
Os trabalhadores levantam a suspeição desse segundo laudo por estas e outras incoerências e pelo fato de que a Findes é parceira da RTV numa permuta de estacionamento.

Uma comissão representativa dos trabalhadores, formada por Marco Nascimento, Thelmo Scarpine, Marília Targueta, Denise Rúbia, Iliete Mageski, Fátima Côgo, Tida Barborioli, Glória Musielo, Julio Munhão, Janio de Barros, Guilherme Klaws, Denize Martins, Yara Lisboa e Sérgio Conte estão discutindo estes e outros problemas como o acúmulo e o desvio de funções.

Concurso Público imediato
Para o diretor do Sindijornalistas é preciso aproveitar essa nova perspectiva que se abre para a TV pública, com a aprovação da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).  Para ele, a RTV precisa ser oxigenada e abrir um concurso público – que está engavetado pelo Governo do Estado – para a contratação de profissionais. Também precisa de novas instalações e equipamentos modernos. “A TVE funciona de forma precária, inclusive com goteiras em todo o teto do cinema do Teatro Carmélia e que foi improvisado para instalar a emissora”, revela Thelmo com tristeza.